30 de agosto de 2009

Sutilmente

(Klimt)

"E quando eu estiver triste
Simplesmente me abrace
Quando eu estiver louco
Subitamente se afaste
Quando eu estiver fogo
Suavemente se encaixe
E quando eu estiver triste
Simplesmente me abrace
E quando eu estiver louco
Subitamente se afaste
E quando eu estiver bobo
Sutilmente disfarce
Mas quando eu estiver morto
Suplico que não me mate, não
Dentro de ti, dentro de ti
Mesmo que o mundo acabe, enfim
Dentro de tudo que cabe em ti"
.
Samuel Rosa e Nando Reis
.
Ah o amor, essa coisa abstrata, quente,
Delirante, urgente, que cantam, escrevem,
Declaram, sentem, exalam
Quão bom vivê-lo, inspirá-lo
Sem medida, sem disfarce
Não nos cabe escolhas, dosagens
Só nos resta sentir
Declarar, doar
Porque o amor,
Esse amor que lhes falo
Esse amor que é tudo
E nada mais é maior
Esse amor,
É que põe vida
No que julgamos ausente...
.
Lai Paiva

7 comentários:

  1. Melhor do que ler você escrever sobre o amor é viver intensamente esse amor.
    Beijos.

    ResponderExcluir
  2. Lai,
    de verdade?
    Arrepiei-me ao ler
    "Esse amor,
    É que põe vida
    No que julgamos ausente..."

    MUITO LINDO, isso!
    Bjo.

    ResponderExcluir
  3. Me felicita muito saber do efeito que surtem minha palavras. Essa é a intenção!

    ResponderExcluir
  4. Muito bonito! Só os verdadeiros sentimentos preenchem. Beijos!

    ResponderExcluir
  5. Lindo texto!
    Tu arrasa mesmo! =)

    As vezes penso que nada é maior que o amor, mas sinto que o amor é como o ar que respiramos. Nada o substitui.

    ResponderExcluir
  6. Ricardo, é que o amor me enche de palavras... E eu adoro ser lida!!!

    ResponderExcluir